Normas Regulamentadoras: quem elabora as NRs?

quem-elabora-as-nrs

Para os profissionais de segurança e saúde do trabalho, as Normas Regulamentadoras constituem a base de informações e pesquisas mais importante para a execução de suas atividades, pois oferecem os critérios e a fundamentação legal para as tomadas de decisão essenciais na prevenção a acidentes e doenças ocupacionais.

Mas com tantas orientações técnicas, específicas e detalhadas, surgem as curiosidades: quem elabora as NRs? Como garantir a representatividade dos envolvidos, evitando reclamações e contendas? Há requisitos para a participação neste grupo? O nosso artigo de hoje é para dirimir essas e outras dúvidas e esclarecer o assunto. Continue lendo e confira!

O que são as Normas Regulamentadoras?

Antes de descrever quem elabora as NRs, primeiro, vamos ver um breve antecedente: em 1943, o Presidente Getúlio Vargas sancionou a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, por meio do Decreto 5.452/43, unificando as disposições até então vigentes sobre a relação trabalho x trabalhador, pouco depois da concepção da Justiça do Trabalho, em 1941.

No Capítulo V da CLT, que trata da Segurança e da Medicina do Trabalho, vários itens considerados imprescindíveis sobre o tema foram abordados, porém, não há como explicar todas as premissas a serem adotadas na rotina das empresas numa lei, sendo necessária a criação de documentos subsequentes para tal.

As Normas Regulamentadoras são, portanto, o conjunto de diretrizes que complementam a legislação primária, explanando o que é obrigatório fazer para o seu devido cumprimento. Dessa forma, apesar de não serem redigidas por congressistas, têm força legal (acredite: existe esse questionamento).

Em 8 de junho de 1978, houve a promulgação das primeiras NRs, por meio da Portaria MTb nº 3.214 e, a partir de então, foram sendo modificadas e expandidas, com a deliberação de outras, geralmente setoriais. Atualmente, há 37 publicadas (duas revogadas) e uma em fase de preparação (sobre limpeza urbana).

Qual a função das Normas Regulamentadoras?

A aplicação das Normas Regulamentadoras tem como função a proteção da saúde e da integridade física dos trabalhadores, com o estabelecimento de medidas para prevenir a ocorrência de acidentes ou doenças relacionadas às atividades laborais dos indivíduos contratados sob o regime da CLT.

Quem elabora as NRs?

Na utilização prática das NRs, há três envolvidos: o governo, os empregadores e os trabalhadores. Todos têm, nesse contexto, deveres, direitos e consequentes ganhos coma sua implementação, e muito a perder quando algo indesejável acontece.

Por estarem relacionados dessa maneira, é natural e justo que, na elaboração de uma NR, as três partes estejam igualmente representadas (com cerca de sete membros, cada, entre titulares e suplentes). Assim é, então, a Comissão Tripartite Paritária Permanente – CTPP (definida na Portaria SSST 2/96), coordenada pelo Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho – DSST / Secretaria de Inspeção do Trabalho – SIT.

Um exemplo da composição de uma CTPP:

  • Representantes do governo: Fundacentro; Subsecretaria do Regime Geral de Previdência Social, e Secretaria de Vigilância Sanitária, do Ministério da Saúde.
  • Representantes dos empregadores: diversas Confederações Nacionais, como das Instituições Financeiras, da Indústria, da Agricultura e Pecuária, de Saúde, do Comércio de Bens, Serviços e Turismo e do Transporte.
  • Representante dos trabalhadores: Força Sindical; Central Única dos Trabalhadores; Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil; União Geral dos Trabalhadores; Central dos Sindicatos Brasileiros e Nova Central Sindical de Trabalhadores.

Com tal formação, cada um contribui com suas competências, defende os pontos que julga indispensáveis, explicita as aplicações de cada item em campo – fornecendo os parâmetros para a execução dos serviços ­– além das ações de fiscalização e penalidades pelo não cumprimento das exigências.

O público pode participar da elaboração das NR’s?

Sim, a sociedade pode participar com suas sugestões, apreciações, evidências ou outros dados, durante o processo de consulta pública, caso esta seja disponibilizada (o DSST pode decidir pela não submissão da proposta à consulta pública, ouvindo também a CTPP), num prazo que varia entre 30 a 120 dias, podendo, ainda, ser prorrogado se houver necessidade.

Falar sobre quem elabora as NRs é somente um fragmento dessa matéria, pois o estudo, desenvolvimento e implementação de regulamentos tão importantes geram, sempre, muitas perguntas. Por isso, vamos postar outros artigos que se completam. Fique atento e siga o nosso blog, onde você vai encontrar muita informação séria e apurada da área.

Aproveite, também, para conhecer os Equipamentos de Proteção Individual da Zanel. São EPIs em raspa e vaqueta, como avental de raspa e luvas para soldador, da mais alta qualidade e prestígio no mercado.

E não se esqueça de deixar seus comentários abaixo, para que possamos continuar a nossa conversa.

Estamos à disposição.

Até breve!
Fernando Zanelli

cta_recompensa_blog_zanel infografico_final

 

Posts Relacionados

raspa-protege-contra-radiacao-ultravioleta

A proteção contra radiação ultravioleta é uma preocupação constante na segurança do trabalho, em especial...

saude-mental-no-trabalho

Integrar a saúde mental no ambiente de trabalho tem se mostrado crucial para promover o...

abril-verde

Em 2022, foram notificados 612,9 mil acidentes de trabalho no Brasil, dentre eles 148,8 mil...

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *